Foi o tempo que dedicaste à Rosa que a tornou tão importante.

Passamos os nossos dias aspirando que os nossos negócios naveguem sozinhos com a maturidade e o profissionalismo que idealizamos, para que possamos dedicar algum do nosso tempo a outros projectos profissionais e pessoais.

A verdade é que muitos de nós, líderes de negócios e equipas vivemos o nosso dia-a-dia no micromanagement sem o distânciamento necessário para desenhar e optimizar o planeamento e a delegação.

Ficamos escravos do tempo e não das prioridades, fisica e emocionalmente desgastados.

Tal como as casas não se controem pelo telhado, também as nossas equipas necessitam de boas fundações. Já dizia Saint-Exupéry, "Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante".

E o que é que isso tem a ver com as nossas equipas? Tudo a ver. A rosa é uma metáfora para cada uma das Rosas, Marias, Josés que temos nas nossas equipas. Temos que investir parte de nosso tempo a criar relação com os nossos colaboradores, a criar confiança, a orientá-los para a nossa missão e valores e a formá-los segundo padrões que sirvam a estratégia dos nossos negócios.

Devemos evitar delegar em outros colaboradores a formação core, pois por muito bem que cumpram essa tarefa, transferem também hábitos e rotinas pessoais e da organização que podem estrangular as ideias e sugestões de quem entra de novo e caímos imensas vezes na célebre frase "Sempre fizémos assim".

Com frequência assumimos também que os novos colaboradores que embarcam nas nossas organizações, tem formação e educação que lhes permite assumir os seus postos de trabalho sem qualquer dificuldade. Errado. É importante distinguir formação e educação de competências. Reflitam um pouco comigo, esta situação é tanto mais vísivel quanto mais necessárias sejam competências de inteligência emocional. Um front-office, por exemplo, seleccionado com pelas suas competências técnicas na área dos cuidados de saúde animal, boa apresentação e fluência. Nada disto nos garante, que é uma pessoa que adora falar com o nosso cliente, que sabe receber, que gere com segurança situações de crise, que sabe criar oportunidades, etc..

Perguntam-me agora, se os colaboradores fizerem uma boa formação na altura do acolhimento, vão fazer tudo bem? Não. Tal como nós não o fazemos. Mas este empowerment nas extremidades das nossas empresas é necessário para tornar os nossos negócios mais ágeis e cabe-nos a nós enquanto líderes e gestores, estar presente e suportar todas as situações que corram menos bem, corrigindo e motivando a fazer melhor.

Resumindo, um recrutamento atempado e à medida das necessidades do posto de trabalho e uma formação bem planeada são condições essenciais para nos libertar do micromanagement em fulltime.


Posts em breve
Fique ligado...
Recent Posts
Featured Posts
Archive
Search By Tags
Nenhum tag.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square